Quando um filho adoece

Quando um filho adoece - Dra Lilian - Pediatria e Acupuntura

Quando um filho adoece

Quando um filho adoece são palavras, sentimentos e uma vivência pessoal que dedico aos pais que descobrem a sua verdadeira capacidade de amar com a chegada de um filho.

Mãe, médica e pediatra

O fato de ser médica e pediatra não me isenta de sentir preocupação e, em alguns momentos, até desespero quando meu filho adoece. Ser mãe é um grande aprendizado, principalmente para compreender o coração das outras mães.

A maioria das pessoas acha que o fato de sermos médicos nos torna menos vulneráveis, pois, com certeza, sabemos de “tudo”.

 Profundo engano…

Na faculdade

Quando cursava a Faculdade de Medicina, alguns professores diziam que deveríamos ter sempre um colega médico a nos orientar quando adoecemos ou quando alguém de nossa família fica doente. Pois, emocionalmente ligados, podemos valorizar demais (por excesso de zelo) ou então desvalorizar (por não querer ver e sofrer) sintomas que indicam uma doença, seja ela grave ou não.

Como assim?  Você, pediatra, leva seu filho a outro pediatra? Por que você mesma não o consulta?

Outro pediatra

Parece simples, mas infelizmente não é. Sofremos muito mais do que se possa imaginar! Debaixo de uma face tranquila e confiante tem um coração que pulsa.

Sabe aquela responsabilidade que os pais têm perante a criança que está doente e sentem-se até culpados pois acham que não cuidaram direito? Multiplique isso por 100, é assim que como médicos podemos nos sentir.

Mãe professora

Mãe professora é um bom exemplo. Ela é responsável pelo ensino de todos os alunos.

Quando seu filho apresenta muita dificuldade de aprendizado, tira notas baixas ou tem um mau comportamento, ela se sente fracassada…

Meu filho adoeceu

Quando um filho adoece - Dra Lilian - Pediatria e Acupuntura

Foi assim que me senti quando meu filho, aos nove meses, teve uma gripe que evoluiu com uma pneumonia. Voltei do PS muito triste, querendo largar a profissão. Tinha decidido, então, que não queria mais ser médica. Ía ficar em casa. Estava abrindo a porta do apartamento quando a vizinha do mesmo andar, me vendo abatida, perguntou o que estava acontecendo. Contei, enfim, tentando conter o meu coração desolado. Ela olhou para mim com uma compaixão que nunca vou esquecer:

– Lilian, eu fico 24 horas com minhas filhas. Mesmo assim elas nunca deixaram de ter resfriados, gripes, sinusite, pneumonia, catapora, alergias e o que quer que seja.

Adoecer e se curar fazem parte da vida. É assim que se constrói a imunidade!

Desta vez as lágrimas rolaram dos meus olhos, mas eram de alívio… Existem coisas que embora saibamos, precisamos ouvir de alguém. Obrigada Iara, você vai estar dentro do meu coração para sempre.

Dor ao deixar o filho no berçário

A mãe que trabalha fora precisa deixar seu filho pequenino no berçário ou na escola. Quando ele desata a chorar querendo voltar para seu colo, ela tem a impressão de que é a pior pessoa do mundo. Quando ele adoece, então a dúvida se transforma em certeza. Dá uma vontade de largar tudo para ficar em casa e protegê-lo de qualquer mal.

As mães que optaram por ficar em casa sabem que mesmo estando lá o dia inteiro, não conseguem impedir que os  filhos adoeçam, motivo de grande apreensão e até culpa, quando vêm para consulta.

As mães precisam de colo também…

Imunidade

ADOECER E SE CURAR, é assim que se constrói a imunidade.

Existe um ditado que diz mais ou menos assim: em mares calmos não se faz um bom marinheiro (ou timoneiro).

Temos dentro de nós a maior indústria farmacêutica do mundo e um imenso exército de células que está à nossa disposição para nos proteger. Porém eles só são estimulados quando entram em contato com um “inimigo”, que pode ser muitas coisas: vírus, bactérias, comida estragada ou que não estamos acostumados.

Segundo a medicina tradicional chinesa, uma friagem, um calor forte, muita umidade, um golpe de vento, a secura e emoções desequilibradas também são fatores de adoecimento.

Porém, vale alertar que a boa imunidade começa no ventre, continua na amamentação com o leite materno, sedimenta-se no adoecer e se curar pelos meandros da vida.

Importante lembrar que estes “inimigos” não conseguem atacar um organismo forte que está pleno de energia e feliz!

Filho é primavera

Mas quando o filho se recupera, tudo é primavera!

É uma grande alegria quando ele volta a brincar, correr pela casa, se alimentar e sorrir!

COMENTÁRIOS (6)

  • Vera Arakawa

    Sábias palavras Lilian, te admiro muito, Sdds de vc ,Paulo , Lincoln e Vini.

    • Lilian Kiyomura

      Oi,Vera! Mesmo quando os filhos crescem, nós mães ainda nos preocupamos, não é mesmo? Um abraço forte a todos vocês

  • Erica

    Excelente texto!! Muito obrigada!! E que Deus te abençoe muito!! =)

    • Lilian Kiyomura

      Oi, Erica! Que bom que você gostou. Espero ter contribuído de alguma forma. Um abraço

    • Danielle

      Tô aqui escrevendo essa msg em forma de desabafo, estou até aos prantos escondida pq tô tentando ser forte mas detesto ver meu filho doente, tenho medo, muito medo dele ter algo muito grave… Ele não tá bem a um mês teve duas infecções na garganta dei o remédio mas agora está com dores e não sei o q faço pq já levei na UPA e não tenho plano particular, estou me sentindo impotente em não poder dar pra ele um atendimento e tratamento digno… Desculpe o desabafo!

      • Lilian Kiyomura

        Querida Danielle, nós como mães vamos nos sentir impotentes muitas vezes. Inúmeras serão as situações que precisaremos demonstrar força, quando na realidade queremos mesmo um colo ou um ombro para chorar. Posso te dizer, com a experiência, que a vida é a nossa maior escola, sabia? E nela aprendemos que tudo passa, as crianças se recuperam, crescem rapidamente e tornam-se muito fortes! Busque ajuda para encontrar um lugar onde ele possa ter um bom acompanhamento. Sugiro que assim que ele estiver melhor, procure também um tratamento homeopático para aumento de imunidade. Embora não saiba a idade dele, por favor, converse muito com ele, ouça-o, deixe-o se expressar e brincar livremente. Um abraço e um colo

Deixe um comentário