Tristeza e Medicina Tradicional Chinesa

A Tristeza sob o olhar da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) é uma emoção que, quando em excesso ou por tempo prolongado prejudica a Energia do Pulmão. Mas, sentir um pouquinho de descontentamento ou melancolia no cotidiano faz parte da vida.

Porém, é importante enfatizar que a Tristeza pode ser aliviada com Acupuntura.

Segundo a Teoria dos Cinco Elementos da MTC, o ficar triste está associado ao:

  • Pulmão,
  • Elemento Metal e
  • sabor Picante.

Cada emoção é associada a um órgão específico.

Tristeza no dia-a-dia

A Tristeza com a qual nos deparamos no cotidiano nos ajuda a refletir sobre as adversidades da vida. E, contribui para o nosso crescimento, sendo, portanto, uma tristeza benéfica.

Entretanto, à medida que esse descontentamento se torna frequente, o Pulmão vai sendo afetado. Assim, como num círculo vicioso, com a Energia do Pulmão enfraquecida, então qualquer fato causa Tristeza. E com esse alimentar contínuo, começam a surgir os primeiros resultados em nível físico:

  • peito apertado,
  • dificuldade para respirar,
  • choro por pouca coisa,
  • asma e
  • bronquite.

Assim, qualquer fato, mínimo que seja, pode afetar o indivíduo. Já escutou a expressão: “Ele é um saco de espinhos. Qualquer coisa o chateia.“?

Essas pessoas, às quais a frase anterior se destina, precisam de apoio emocional, pois sua Energia do Pulmão está deficiente ou estagnada. Portanto, nestes casos, com carinho você pode sugerir uma acupuntura. Práticas Integrativas em geral ajudam a reduzir a tristeza.

Acupuntura e tristeza

O acupunturista pode interferir neste processo ajudando a reequilibrar o corpo, especialmente atuando no Meridiano do Pulmão, direta ou indiretamente.

Diretamente, pois o agulhamento pode ser especificamente no Canal do Pulmão. Ou indiretamente, pois pode ser em outro ponto distante de acupuntura, mas que atue sobre o Pulmão.

Em uma primeira sessão de acupuntura, já é possível diminuir o desconforto. Porém, é preciso continuidade para o resultado efetivo.

Assim, o profissional poderá inicialmente sugerir duas sessões semanais. Essa frequência vai se espaçando à medida em que a pessoa recupera sua tranquilidade e se torna dona do seu pensar.

Meridiano do Pulmão


Na realidade, o Meridiano do Pulmão é um par, ou seja, um de cada lado do corpo, cada um com 11 pontos, totalizando 22 pontos.

Pontos e funções

Exemplos de pontos usados pelo acupunturista.

Ponto P1 ou Palácio Central

Este ponto, marcado como Lu1 (Lu de Lung) na imagem, também é nomeado como Zhongfu ou Palácio Central. Ele ajuda a harmonizar a energia do Pulmão. Também acalma a tosse.

Exercício para você: quando se sentir angustiado, massageie a região do P1. Respire. Massageie. E observe que se sentirá mais tranquilo.

Ponto P11 ou Shang Jovem

Último ponto do Meridiano, o P11, Shaoshang ou Shang Jovem faz circular a Energia do Pulmão. Esse ponto reduz a febre e alivia a garganta. Você pode também massagear para assim, sentir-se melhor para falar e expressar seus sentimentos.

Dra. Lilian

Dra. Lilian é médica homeopata e acupunturista. Ela estuda e pratica Medicina Tradicional Chinesa e Acupuntura para promover saúde e Bem-estar aos seus pacientes.

Quando, durante a anamnese, ela identifica que a pessoa sente tristeza, os Pontos do Pulmão recebem uma atenção especial.

Fontes

  • Pontos de Acupuntura – Guia Ilustrado de Referência – Ednéa Iara S. Martins e Ernesto G. Garcia
  • Princípios de Medicina Interna do Imperador Amarelo
  • Os Fundamentos da Medicina Chinesa – Giovanni Maciocia
like do facebook Dra Lilian